Sexta Literária

Nunca faça cócegas num dragão adormecido

By on dezembro 9, 2017
"A gente pode ressentir o passado, negá-o ou viver nele. De um jeito ou de outro, ele continua lá. Melhor lidar com ele escutando musiquinhas antigas e se pocando de rir," http://bit.ly/2jaqJO2

Minha adolescência e o final da minha pseudo-adultice, neguei bem mais do que 3 vezes. Foi em legítima defesa, disse a mim mesma. Tentei matar as eus anteriores, as versões de mim que existiram, as que poderiam ter existido e as que nasceram causas perdidas. Não me pergunte quem era quem, ou como elas ainda estavam vivas, só sei que nada sei. Bom, talvez, no fundo, eu saiba as respostas dessas duas perguntas…

Sabe quando algo dura o tempo que tinha de durar e depois é como um produto fora da validade?Não vou dizer que foi ruim, também não foi tão bom assim….A era de sucata, no entanto, tinha outras ideias, não contentava-se em ficar no passado. Mesmo assim, a eu do presente ignorou as presentificadas, enterrou-se até o pescoço em novos problemas e nas consequências de erros que tornaram-se velhos depois de tanto repetidos. Revivals, dispenso.

Menina dando de ombros: "Nunca nem vi."
Tenor. Nunca nem vi.

Até que… eis que o Spotify me sai com uma playlist personalizada: “As Mais Ouvidas de 2017.” Não chegava a prometer me levar de volta como a Máquina do Tempo, mas o convite estava feito. Eu disse a mim mesma, “Não faça cócegas no dragão adormecido,” e cliquei quase imediatamente. Se o passado me condena ou não? Nem nego, nem confirmo, prefiro não comentar. A playlist, contudo, aparentemente tinha bastante a dizer: foi de “se tem um pouco de mim no seu coração, então não casa não” a “nem por você, nem por ninguém, eu me desfaço dos meus planos“, passando por “será que eu já posso enlouquecer ou devo apenas sorrir?” e “o que é que eu vou fazer com essa tal liberdade se estou na solidão pensando em você?”, com direito a “Evidências” e “New Rules,” minhas mudanças de humor rápidas como são.  Deixou de fora, apenas, aquela música que nunca consigo escutar até o final. Tenho medo de ela ser um cavalo de Tróia, assim como as musicas que estariam nas finadas “Mais Ouvidas” dos anos anteriores. 

Charlie de As Vantagens de Ser Invisível ouvindo música.
WiffleGif.

No final das contas, a gente pode ressentir o passado, tratá-lo como um dragão adormecido e torcer para que ele nunca seja cutucado, negá-o ou viver nele. De um jeito ou de outro, ele continua lá. Melhor lidar com ele escutando musiquinhas antigas e se pocando de rir com uma pitada de auto-schadenfreude (palavra alemã que significa a alegria que se sente ao presenciar as desgraças alheias. Sim, eles têm uma palavra para isso.)

Me conte: o que tem na sua playlist de “Mais Ouvidas de 2017”? Se gostaram, não se esqueçam de curtir e compartilhar 😉

*créditos da imagem destaca: Heidi Sandstrom. no Unsplash

Continue Reading

Uncategorized

Só pra Você Saber, Eu Não Esqueci Você

By on junho 27, 2017

*Algum filho-de-Deus-perfeito menciona seu nome*

Girl blinks as she tries to keep a straight face.
Buzzfeed

“Quem?,” ergo as sobrancelhas — ora, sarcástica, ora, cara de pau. “Não conheço ninguém com esse nome.” Olhe que mentira tem perna curta, penso logo depois. Nem sou tão boa atriz assim, nem faço questão de ser. Só quero deixar bem claro: embora “não te queira mal, não te quero mais.” Nem se, por milagre ou bruxaria, você mudar de ideia. “Nem pintado de ouro!”, digo a quem quiser ouvir.

Entendeu? Escute-me direitinho para não deixar mal-entendido. Da última vez que nos vimos, fui àquela festa por ir, me embonequei para a outra eu dentro do espelho, sequer sabia que você tinha sido convidado. Quando verifico quem visualizou meus snaps, é por mera curiosidade, não para saber se minha existência passa pela sua cabeça; por acaso, sem premeditação ou propósito — diferente de quando relembro-me da sua. Quando pergunto por você, é por educação, não porque me pergunto “se está bem ou gostando de outro alguém.” Ah, e as aparentes indiretas não foram para você, foram para outro, que, por 10 minutos mas não de uma vez por todas, fez com que você sumisse.

Giphy

 Você comprou isso aí? Deus sabe que eu, apesar de tentar de verdade, ainda não consegui. No final das contas, não quero que você pense que te esqueci, nem por um microssegundo. Vai que, um dia desses, você dá a louca e contraria as expectativas minhas e do resto do mundo. Só queria que eu pensasse que te esqueci. Internalizasse a última fase do luto, a aceitação — afinal, falhei miseravelmente na negação. Queria que, quando alguém mencionasse seu nome, minha paz não se esvaísse e meu humor não se tornasse imprevisível e minha mente se ocupasse com qualquer outra coisa

Veja bem, meu bem, até onde você sabe — ou até onde eu sei —, nunca senti nadica de nada por você. Se senti, o sentimento decaiu com o tempo, como o seu por mim. Não te culpo. Talvez você me culpe pelo meu orgulho mal-disfarçado de dignidade, mas espero que não. Espero que — ainda que não admita nem para si mesmo — você não tenha se esquecido de mim.

21 de junho de 2017

Então, ‘bês, o que acharam da 1ª Sexta Literária do Lua Post? Se gostaram, não se esqueçam de curtir e compartilhar 😉

Continue Reading